Serviços movem o Brasil e dão origem a profissões inusitadas

Serviços-movem-o-Brasil-e-dão-origem-a-profissões-inusitadas

O setor que mais cresce na economia também é responsável por criar oportunidades de trabalho pouco comuns; em alguns casos, o ‘bico’ se transforma em principal fonte de renda.
O setor de serviços é o grande motor da economia brasileira. Ele não só é responsável por quase 70% de toda a riqueza gerada pelo país, mas também ajuda a fortalecer um fenômeno curioso no mercado de trabalho: a segmentação. Mas, diferente do caminho tradicional das últimas décadas, em que uma especialização transformava um advogado em tributarista, ou um médico em pediatra, a nova onda de oportunidades surge para os profissionais que criam formas de atender à demanda de uma classe média com renda em ascensão e sem tempo para tarefas corriqueiras.

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 11 milhões de brasileiros trabalham com prestação de serviços. Para o economista Fernando de Hollanda Barbosa, da Fundação Getulio Vargas (FGV), a tendência é que o setor caminhe, nas próximas décadas, para a absorção de quase a totalidade da força de trabalho do país, sobretudo num contexto econômico em que a indústria avança pouco e o setor agrícola emprega menos, devido à revolução tecnológica que ocorre no agronegócio. “É o movimento natural da economia brasileira. Com o aumento da renda da população, a demanda por serviços muito específicos cresce. Aconteceu nos Estados Unidos há muito tempo e, em menor nível, na Europa. Agora é a nossa vez”, afirma Barbosa.

Trabalhos inusitados como passear com cachorros e organizar armários eram impensáveis duas década atrás. Hoje, se tornaram triviais nas metrópoles. O empreendedor paulista Estevan Garcia não pensava em “criar” uma profissão diferente quando começou a acompanhar reformas de casas de amigos que não tinham tempo para a tarefa. Em 2010, estava desempregado e acabou ajudando um conhecido “superocupado” a cuidar da reforma de seu apartamento em São Paulo. “Num primeiro momento, não me dei conta. Mas, depois, vi que outras pessoas poderiam precisar disso”, afirma. Garcia passou a prestar serviços para amigos de amigos e sua rede de contatos cresceu, dando origem à FazerSP. Ele cuida de obras de donos “sem tempo”, passando relatórios diários dos gastos — até mesmo via Whatsapp. Hoje, presta serviço inclusive para arquitetos que não podem passar diariamente nas obras dos próprios projetos.

As recentes discussões sobre a nova lei das domésticas evidenciam a rapidez da diversificação do setor. Com a lei mais austera para os patrões, empreendedores rapidamente criaram empresas de terceirização de faxinas para os que não querem correr o risco de criar vínculo empregatício com funcionárias diaristas. Empresas como Mr. Limp e Mary Help surgiram nos últimos quatro anos e já têm 120 e 48 franquias, respectivamente. O site de VEJA conversou com cinco profissionais, além de Garcia, que encontraram formas de diversificar suas carreiras para campos, digamos, mais criativos.

Fonte: Veja.

Coração CadastreCadastre-se